27 de set de 2009

Gênero Humano, artigo do Deputado Federal Dr. Rosinha


Vim viver em Curitiba no início de 1969. Anos duros de ditadura, mas eu não sabia. Não sabia o que era uma ditadura. Vim do sítio direto para a capital, e aqui eu era o verdadeiro capiau. Tudo novidade e tudo obscuro. Tudo curiosidade e medo. Tudo esperança e preocupação: e se não der certo? Vim morar na Rua Riachuelo. Era o único local possível de se morar com pouco dinheiro. A noite na Riachuelo, para um capiau como eu, era tomada de assombro, curiosidade e o cheiro de sexo das prostitutas que por lá vagavam. Também andavam por lá alguns gays.


Fui morar numa pensão onde, algum tempo depois, conheci um gay. Um bancário que trabalhava no Bradesco. Na mesma pensão, morava também um estudante vindo do interior que só saía com gays. Era um homossexual e negava. Era tudo enrustido, tudo oprimido. Era a ditadura.
Ambos, capiaus e homossexuais, éramos rejeitados pela sociedade curitibana. Excluídos, construíamos nossos próprios habitats, mundos, vidas. Os capiaus, com muito estudo e esforço, iam individualmente e aos poucos se inserindo na sociedade. Através do trabalho e de casamentos, conquistaram seus espaços sociais.



A comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) continua na árdua batalha da afirmação: sou gênero humano, mereço respeito e tenho direitos.



De início, alguns poucos se autoidentificam como homossexuais. Hoje, já organizados em várias ONGs, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais lutam por dignidade. E um importante ato político é a Parada da Diversidade, que une milhares de pessoas em vários cantos do mundo.
A importância política de atos como esse é demonstrada pelo próprio tema que abordam. O tema da edição deste ano da Parada da Diversidade em Curitiba (”Seus direitos, nossos direitos, direitos humanos”) deixa claro pelo que clamam.



Clamam pelo direito de inclusão e de identidade social e pelo fim do preconceito. São homens e mulheres que têm direito à identidade e não ao tratamento pejorativo de “viado” ou “sapatão”, como usualmente são chamados e chamadas.



As paradas da diversidade servem para pôr a cara pra fora, dar o grito de identidade e mostrar à sociedade que, na rua, caminha mais um filho seu que quer paz, liberdade e justiça. Por isso, também pedem “o fim da violência e da impunidade”.



Assim como os capiaus, as pessoas LGBT conquistarão seus direitos, se libertarão da ditadura da sociedade e construirão a sua identidade e visibilidade.



Sair da opressão da noite, para o sol da igualdade. Por isso lutamos.



Dr. Rosinha, médico pediatra, é deputado federal e coordenador da Frente Parlamentar LGBT na região Sul do país.

http://www.drrosinha.com.br/



[*] Artigo publicado no jornal da Parada da Diversidade de Curitiba, que acontece no próximo dia 27 de setembro de 2009.

Foto: Joka Madruga

14 de set de 2009

“A Modernidade em Construção – Políticas públicas e produção de música popular em Curitiba – 1971 a 1983.”



Músico desvenda os caminhos e descaminhos da produção musical curitibana


“Por que nós não temos nenhum nome curitibano no cenário da música popular brasileira?” Esta inquietação foi o motivo que levou o músico e historiador Ulisses Galetto a escrever o livro "A Modernidade em Construção – Políticas públicas e produção de música popular em Curitiba – 1971 a 1983.” Fruto das suas pesquisas realizadas durante o Mestrado em História pela Universidade Federal do Paraná, Ulisses Galetto analisa as políticas públicas para cultura em Curitiba, desenvolvidas de 1971 a 1983, com a missão de desvendar os caminhos e descaminhos do que muita gente chama do “anonimato da produção cultural curitibana”. A justificativa do recorte temporal se dá por que em 1971 é implementado o 1º Plano Diretor de Curitiba pelo então prefeito Jaime Lerner. No decorrer dos anos até 1983, as mudanças na cidade e por conseqüência o que se fez pela cultura sofreram impacto direto da organização do Plano Diretor. Ulisses destaca a “era lernista” como a fase propriamente dita da “modernidade em construção para a cultura”, pois é desta época 80 % dos equipamentos públicos que até hoje dão espaço para o que é produzido na cidade. Solar do barão, Casa da memória, Teatro Paiol e o Centro de Criatividade são alguns exemplos. Para a música, ele destaca o incentivo do poder público ao Movimento de Atuação Paiol, o grupo MAPA, como também a construção da Camerata Antiqua e patrocínio de discos, como o “Curitiba, Cidade da Gente” – que contava a historia da cidade através de musicas. “Nesta época, a Prefeitura resolveu literalmente por a mão na massa. A construção dos espaços públicos foi desenhando aos poucos a política municipal de cultura e as produções culturais foram se revelando no cenário local.” explica Galetto.

Porém, é pelo viés da tal modernidade, que o livro desvenda uma das partes do mistério do anonimato. Para o autor, Curitiba perdeu o bonde da modernidade. “Historicamente, o Brasil em relação a todo o resto do mundo acertou seus ponteiros com a modernidade apenas na década de 60. Curitiba perdeu o bonde e foi acertar os ponteiros com o Brasil apenas no final da década de 70. Por este motivo, enquanto no Rio e São Paulo a indústria fonográfica já estava a todo vapor, a produção curitibana não tinha infra estrutura técnica para se encaixar.” explica. Mas, segundo Ulisses, atualmente “estes motivos não valem mais. Hoje são outros, como por exemplo, a mania que temos como artistas de achar que o poder púbico, as empresas é que tem culpa ou que deveriam fazer mais pela produção artística. O caminho não é por ai.”

Lei Municipal de Incentivo a Cultura – avanço para produção cultural

De lá para cá, muita coisa mudou e Ulisses é taxativo ao escolher a criação da Lei Municipal de Incentivo a Cultura como marco do avanço na história da produção cultural curitibana. “Criada ao final da década de 80, por iniciativa do então Vereador Ângelo Vanhoni, a lei municipal de incentivo a cultura é um marco nesta história. A produção quantitativa e por conseqüência a qualitativa na produção musical em Curitiba, se divide em antes e depois da lei. O que nós estamos fazendo com ela agora é outro assunto, que deve ser debatido nos fóruns. Mas, sem sobra de duvida, se existe algo que possa apontar para o futuro como política publica se chama de lei de incentivo a cultura.” conclui Ulisses Galetto.


Foto: Gilson Camargo - www.vanhoni.wordpress.com

Matéria: Ana Carolina Caldas

10 de set de 2009

CURITIBA: Filme GARAPA marca a Campanha “Alimentação: Direito de Todos”


O evento que marca Campanha Nacional “Alimentação: Direito de Todos, pela aprovação da PEC 047/2003” no Estado do Paraná, contará com a presença de José Padilha, diretor do filme Garapa, do diretor do Ibase, Francisco Menezes e do Deputado Nazareno Fonteles, presidente da Frente Parlamentar Nacional pela Segurança Alimentar e Nutricional

Neste próximo dia 14, será exibido em Curitiba, o documentário GARAPA, do diretor José Padilha, seguido de debate sobre o tema com as entidades e instituições que integram a Campanha Nacional “Alimentação: Direito de Todos” no Paraná.. A iniciativa da campanha é do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (CONSEA) e tem como principal objetivo a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 047/2003, que tramita no Congresso Federal e que regulamenta a inclusão do direito à alimentação entre os direitos sociais estabelecidos no Artigo 6º da Constituição Federal.

O evento em Curitiba é organizado pelo Fórum Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, Itaipu Binacional, Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional e pela Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e Nutricional do Paraná, tendo o apoio de instituições da sociedade civil e do governo.

Segundo os organizadores do evento e integrantes das entidades que lutam pelo direito a alimentação, a campanha pela aprovação da PEC quer não só sensibilizar os parlamentares, mas também contar com o apoio da população. “Incluir a alimentação adequada e saudável no campo dos direitos fundamentais garantidos pela Constituição, é uma forma de tratar o problema da fome como questão de Estado e não de governo, além de fortalecer as políticas se segurança alimentar e nutricional no Brasil. “ explica Silvia Rigon, presidente do CONSEA-PR
A campanha se baseia também nos pactos e tratados internacionais que asseguram o compromisso dos países este direito básico. A garantia do direito humano à alimentação está expressa em vários tratados internacionais, ratificados pelo governo brasileiro, incluindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, de 1966, e a Cúpula Mundial de Alimentação, de 1996. Nos referidos pactos, os chefes de Estado reafirmaram “o direito de toda a pessoa a ter acesso a alimentos seguros e nutritivos, em consonância com o direito à alimentação adequada e com o direito fundamental de toda pessoa de estar livre da fome”.

A campanha também recebeu o apoio de artistas que integram a ONG Movimento Humanos Direitos. Um comercial de 30 segundos já está sendo veiculado, onde artistas como Dira Paes, Bete Mendes, Maria Zilda, Leonardo Vieira, Camila Pitanga, Gilberto Miranda, Eduardo Tornaghi e Cristina Pereira pedem aos deputados que aprovem a PEC.

Estarão presentes para participar do debate o cineasta José Padilha, Francisco Menezes, diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE) e integrante do CONSEA nacional, Deputado Nazareno Fonteles, presidente da Frente Parlamentar Nacional pela Segurança Alimentar e Nutricional, Valter Bianchini, Secretário de Estado da Agricultura, Deputada Luciana Rafagnin, Presidente da Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e Nutricional do Paraná e Silvia Rigon, presidente do Conselho Estadual de Segurança ALimentar e Nutricional do Paraná (CONSEA-PR).


No dia 14/09 a exibição ocorrerá no Auditório do Museu Oscar Niemeyer, às 19:30h e no dia 15/09, em Foz do Iguaçu, no Centro de Recepção de Visitantes da Itaipu Binacional, no mesmo horário.


GARAPA


O filme GARAPA tematiza o direito a alimentação com a preocupação de impactar o público no sentido real do que se entende por insegurança alimentar. Ao pensar no roteiro, o diretor do filme José Padilha visitou o Ibase , fundado pelo sociólogo Herbert de Souza em 1981, onde conheceu Francisco Menezes, um dos diretores do instituto, de quem ficou amigo. Ao entrar em contato com uma questão tão delicada e complexa, o cineasta achou que seria fundamental fornecer um ponto de vista alternativo à forma distanciada como o assunto costuma ser tratado na grande mídia. Para Padilha, “geralmente, os meios de comunicação discutem a questão a partir de uma perspectiva macroscópica, debatendo as causas ambientais, geográficas, econômicas e políticas da fome. Embora este debate seja fundamental, continuamos, no entanto, sem saber como é a vida das pessoas que passam fome. Para que se compreenda o real significado do problema, é necessário conhecê-lo de perto.” O filme é fruto de mais de 45 horas de material filmado por uma pequena equipe que, durante quatro semanas, acompanhou o cotidiano de três famílias no estado do Ceará. À frente dessas famílias estão Rosa, Robertina e Lúcia – mulheres que, diante das condições mais adversas buscam estratégias de sobrevivência.

Para participar é necessário se inscrever no site http://www.consea.pr.gov.br/. A entrada será 1kg de alimentos não perecíveis.


Serviço


Lançamento da Campanha “Alimentação: Direito de Todos, pela aprovação da PEC 047/2003”

Exibição e Debate sobre o filme “Garapa”, de José Padilha

Dia 14 de setembro – segunda feira – as 19h30h - Auditório do Museu Oscar Niemeyer - Curitiba
Dia 15 de setembro - terça-feira - as 19:30h - Centro de Recepção de Visitantes da Itaipu Binacional - Foz do Iguaçu

Assessoria de imprensa do evento : Ana Carolina Caldas