28 de mai de 2010

Festival de Cinema da Lapa


Acontece na próxima segunda-feira, dia 31, na Cinemateca de Curitiba (Rua Carlos Cavalcanti, 1174), às 12 horas, a coletiva e brunch de lançamento do Festival da Lapa 2010, que será realizado de 9 a 13 de junho.

Organizado pelo Instituto Borges da Silveira e pelo Instituto Histórico e Cultural da Lapa, o evento chega à sua quarta edição. Nas três primeiras o Festival acumulou um público de aproximadamente 30 mil pessoas, nas exibições ao ar livre, em frente ao Panteon dos Heróis, e no Cine Imperial, bem como nas demais atividades proporcionadas pelo evento.

A realização do Festival, numa das mais antigas e bem preservadas cidades do Paraná, além de propiciar sua inserção no cenário do audiovisual nacional, visa incrementar o turismo na região e também contribuir para a descentralização da cultura no país.

Durante cinco dias, o Festival da Lapa 2010 fará com que a cidade e sua população vivenciem intensamente o clima do audiovisual, com exibições de filmes, debates e oficinas.

Filmes de época

Desde a edição passada, o Festival da Lapa está realizando a competitiva internacional de filmes de época. Por meio desta competição de filmes de longa-metragem, recorte inédito em termos de perfil de mostras e festivais de cinema brasileiros e até do exterior, “a intenção do Festival é fazer uma justa homenagem aos filmes e profissionais que se dedicam a construir e reconstituir de modo audiovisual histórias que se passam ou passaram em tempos não atuais”, explica a presidente do Instituto Histórico, Maria Inês Pierin Borges da Silveira.



O Festival da Lapa considera filmes de época as produções que possuem no mínimo cinquenta por cento (50%) da sua duração ambientada em período até o final dos anos 1970, caracterizadas por um ou mais dos elementos: texto, cenário, objetos de cena, figurino e maquiagem. A mostra competitiva de filmes de época premiará com o troféu “Tropeiro” as categorias: melhor filme, melhor cenário, melhor figurino e melhor maquiagem.



Segundo a organizadora, a competitiva de filmes de época representa para o Festival um elemento chave de identificação do evento com o espaço onde o mesmo acontece. “A cidade da Lapa, invariavelmente, tem sido escolhida como cenário de filmes históricos. Suas ruas, suas praças e suas construções são preservadas pelo zelo do povo lapeano, nada mais justo, portanto, do que homenagear a cidade com esta premiação”, conclui Maria Inês.

Participam da coletiva, além de Maria Inês, o presidente do Instituto Borges da Silveira, Luís Carlos Borges da Silveira, e cineastas que participarão da mostra competitiva.

O Festival da Lapa é viabilizado por meio da Lei Rouanet, tendo os patrocínios da Caminhos do Paraná, da Elejor, da Copel e da Itaipu Binacional. O evento conta, ainda, com os apoios do Governo do Estado do Paraná, da Prefeitura Municipal da Lapa, da RPC – Rede Paranaense de Comunicação, do Instituto Federal do Paraná e da Expresso Maringá.



CONTATO IMPRENSA - ANA CAROLINA CALDAS (41)92114915

21 de mai de 2010

Moradores do Sitio Cercado criam Conselho Gestor do Museu da Periferia.

Neste sábado (22) será criado o conselho gestor, formado pelos próprios moradores

Sítio Cercado, bairro localizado no sul de Curitiba – PR, é uma das 12 localidades do país que está sendo apoiada pelo Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, através do Programa Pontos de Memória, para a criação de um museu gerido e representado pelos próprios moradores do bairro. No próximo sábado, 22 de maio, será realizado, às 17h, o seminário para a criação do conselho gestor e fundaro do Ponto de Memória do Sítio Cercado, o Museu de Periferia – MUPE. O evento será na Associação de Moradores Vila Vitória (Rua Agudos do Sul, 700, Sítio Cercado, Curitiba - PR).

Além das representações das diferentes vilas que compõem o bairro, evento contará com representantes do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, autarquia vinculada ao Ministério da Cultura, que desenvolve a Política Nacional de Museus.

Durante o evento estarão em exposição fotos, relatos dos moradores antigos sobre a época das invasões, o mapa do bairro quando ainda era conhecido como a Fazenda Cercado, dentre outros acervos que vêm sendo levantados pelos moradores.

De acordo com o morador e líder comunitário, José Afonso, conhecido como Zuca, com o crescimento acelerado da região, que nos últimos 30 anos cresceu de 8 para 180 mil habitantes, os moradores não tiveram a oportunidade de conhecer a história do bairro, impossibilitando então a criação de vínculos com o local.

“A ideia do MUPE é resgatar as memórias e histórias dos moradores. Acredito que quando a pessoa conhecer a história do lugar onde vive, ela passa a gostar e cuidar muito mais.”

MUPE – A criação do Museu da Periferia vem sendo articulada por moradores do bairro Sítio Cercado, em Curitiba, desde abril de 2009. A ideia foi inspirada na experiência dos Pontos de Memória Museu da Maré e Museu de Favela – MUF, ambos na cidade do Rio de Janeiro – RJ.

Em setembro de 2009, a pedido de representações locais, foi realizada a oficina Museu, Memória e Cidadania, ministrada pelo diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram, Mário Chagas, para a instalação do Ponto de Memória na Região. A ideia também recebeu apoio de artistas, entidades, associação de moradores, Associação Cultural de Negritude e Ação Popular e de articuladores do Museu da Maré e MUF.

Pontos de Memória: Pautado na gestão participativa e no protagonismo comunitário, o Programa vem apoiando, além da cidade de Curitiba - PR, a consolidação de museus comunitários nas cidades de Belo Horizonte – MG, Brasília – DF, Belém – PA, Fortaleza – CE, Maceió – AL, Porto Alegre – RS, Recife – PE, Rio de Janeiro, Salvador – BA e São Paulo – SP.
Através do Programa, o Ibram apoia o empoderamento social daqueles grupos que ainda não tiveram a oportunidade de contar suas histórias e memórias através dos museus, incentivando a apropriação desse equipamento pelas comunidades, de forma que se sintam representadas. É resultado da parceria do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, com o Programa Mais Cultura e Cultura Viva, do Ministério da Cultura, com o Programa Nacional de Segurança com Cidadania – Pronasci, do Ministério da Justiça e com a Organização dos Estados Ibero-americanos – OEI.
Matéria da Assessoria de Comunicação do IBRAM