12 de fev de 2009

GRAFITE EM CURITIBA: Da rua para “A Casa”

O Grafite está “no olhar diferente para a cidade", ”na possibilidade de protestar o que indigna”, ”no comunicar-se com a cidade sempre e travar um diálogo no cotidiano”, até a “necessidade de sentir a cidade a apalpando por suas paredes”.


Da "tag" ou "pichação" ao grafite – este é o caminho percorrido por quem se reconhece como artista do grafite, na opinião do grupo que hoje comanda “A Casa”: um espaço alternativo que além do trabalho de aprimoramento estético, realiza trocas com outros grupos de arte alternativa. Um dos principais objetivos: aproximar a juventude com a oferta de cursos na área de artes visuais. Das andanças nas ruas, nos intervalos entre um muro e outra parede, o grupo formado por Deivid, Tiago, Leandro e Paulo se formou literalmente na rua. Deste encontro, parcerias em composições livres nas paredes da cidade, depois projetos institucionais até chegar na “A Casa”, a fase atual.


Início da história:

Deivid Reis (o Heal), Leandro Cínico, Thiago Syen e Paulo Auma estão “na rua” grafitando já há quase dez anos. Primeiro cada um para um lado, depois todos juntos – assim como “Os Três Mosqueteiros”. No caso deles, “Os Quatro Grafiteiros”, em busca de uma parede perdida. Ambos dizem terem começado pela possibilidade da manifestação de seus pensamentos, pois segundo eles, arte é comunicação. Thiago explica: “Acredito que o grafite é a arte que mais se comunica com a cidade, pois através das paredes a gente pode dialogar com as pessoas.”
Os grafiteiros são também conhecidos como escritores urbanos, ou writers. E tem quase como um código de conduta – a discrição, para que o anonimato se mantenha, bem como a garantia da liberdade das perambulações pelas ruas e paredes. Entretanto, quando se trata do pertencimento a um grupo, os integrantes se identificam com algum tipo de marca ou assinatura. Leandro Cínico afirma que o começo deles foi na pichação. E é categórico ao dizer que o grafite é a pichação aprimorada: “A gente começa na rua com a vontade de expressar algo no espaço da cidade. Pichamos. Depois, veio nosso aprimoramento." Paulo Auma, porém, explica que pichação é o nome pejorativo que a sociedade dá ao que os grafiteiros conhecem como "tag". Tag é um estilo do Grafite, o primeiro que surgiu. "Gostamos de arte e principalmente da que pode ser executada na rua, e em vários momentos questionando a propriedade privada e o espaço público. Por isso, respeitamos e convivemos com as pessoas que adotaram o estilo Tag." explica Auma.

Entre as opiniões sobre o motivo da escolha por esta forma de vida, dizem que está “no olhar diferente da cidade pelo grafite”, ”na possibilidade de protestar o que indigna”, ”no comunicar-se com a cidade sempre e travar um diálogo no cotidiano”, até a “necessidade de sentir a cidade a apalpando por suas paredes”.

A união do grupo foi por esta sintonia de visões sobre o “mundo do grafite”. Paulo Auma, que hoje além de grafiteiro é professor de desenho pela Fundação Cultural, conta como foi este encontro: “nos encontramos na rua, fizemos amizade. Descobrimos sintonia e começamos a sair pra grafitar juntos. Fazíamos muitas vezes composições coletivas nas paredes, respeitando cada um o seu estilo.” Thiago acrescenta que o outro motivo que une o grupo é a concordância em relação ao significado do grafite: “Grafite é estilo de vida, a possibilidade do diálogo com a cidade, com as pessoas. Trata-se de uma manifestação estética espontânea.”


Pedras no caminho

Porém, nem tudo são flores na vida de um grafiteiro. Há um longo caminho a ser percorrido para que a Cidade e até a população reconheça arte no grafite, ou melhor, o grafite como arte. O grupo afirma que ainda existe muito preconceito e que ao longo dos anos já foram abordados de forma coercitiva e com violência na cidade. Cabe resgatar o caso da prisão da jovem pichadora Caroline “Sustos”, que participou junto com 40 pessoas da pichação do segundo piso do prédio da 28º Bienal Internacional de São Paulo. Sobre este assunto, Paulo Auma diz que "muitos outros artistas não convidados já fizeram espontaneamente instalações ou qualquer outra manifestação na Bienal. Mas, como ela era pichadora, daí pra eles não vale.”

O grafite, ao utilizar o meio urbano como forma de expressão, contrário aos demais movimentos artísticos que se inserem na sociedade através de um trabalho muitas vezes planejado e exposto em galerias e museus - passou a ser bastante questionado. Um dos aspectos conceituais mais interessantes encontrados nessa linguagem (grafite) é a questão da proibição, sempre presente.


Conquistas

Entretanto, Paulo Auma reconhece que existem conquistas no mundo dos grafiteiros. Uma delas, em nível de reconhecimento, foi a aprovação do projeto “Seis elementos”, contemplado
pelo edital VIADUTOS E TRINCHEIRAS 2007, financiado pela lei municipal de incentivo a cultura, da Fundação Cultural de Curitiba(FCC).
Com o tema A CRIANÇA vista pelos 4 elementos (água, ar, fogo e terra), os quatro pintaram um grande painel no Viaduto do Xaxim – de dezembro de 2007 a março de 2008. “Nossa composição coletiva parte do respeito ao estilo próprio de cada um. Neste projeto, conversamos sobre os 4 elementos e criamos. Com a sintonia que temos, sempre acaba ficando tudo ligado”, explica Deivid. Participaram do projeto: Deividi Heal, Thiago Syen, Paulo Auma, Dose, Café, Cimples, Cínico e Tatiana.


“O trabalho que fazemos hoje – todos nós trabalhamos com artes, permite que aos poucos a gente dialogue com a cidade de outra forma. Ganhe respeito e reconhecimento da nossa arte”, afirma Paulo Auma. Mas avisa: “grafite é espontâneo, muitas vezes saímos à noite e temos uma idéia e a coisa acontece. Sem pedir permissão.”



"A CASA" - Espaço de Arte

Apesar da necessidade que sentem de à noite ou mesmo de dia sair sem muito planejar, e encontrar “a parede” para compor, todos trabalham e também estudam em algo relacionado às artes visuais. Por este motivo, o aprimoramento do grupo foi ficando nítido, e foi surgindo a necessidade de criar um espaço para que pudessem, além de fazer suas experimentações estéticas, realizar trocas com outros grupos.


Ex-aluna de Paulo Auma nos cursos de pintura da FCC - a psicóloga Tatiana Alves tinha uma casa e queria dar alguma utilidade a ela. Mais uma sintonia nessa história dos “quatro grafiteiros”. Tatiana ficou sabendo que o seu ex-professor buscava um espaço e a parceria se fez, com a contribuição agora da mais nova integrante. Imediatamente, batizaram o espaço “A Casa” – fazendo a analogia do trabalho dos grafiteiros sempre na rua e abrigados agora em “casa.” Trata-se de um projeto que vai além do grafite. Para Paulo Auma, "não é possivel fazer grafitei em sua plenitude e liberdade em um espaço fechado como este. "A CASA" não é uma extensão da rua, mas pode ser uma reflexão sobre a rua."
Atualmente, o grupo define "A Casa" como um espaço expositivo que abriga e trabalha com vários artistas ligados ás artes visuais, que atuam de forma inovadora no circuito contemporâneo, experimentando novas formas de interpretar o mundo. Tatiana faz questão de salientar que a juventude é o público alvo. “A arte é uma grande possibilidade de modificar a visão dos jovens sobre a vida”, comenta Tatiana.


Na pouca existência do novo projeto, já foram ofertados cursos de diferentes técnicas que originam o grafite, exposições e trocas entre outros grupos de arte alternativa. Um grande bazar foi realizado no espçao com a participação de artistas das mais diferentes manifestações - que expuseram e trocaram quadros, camisetas, pinturas, entre outros. Atualmente “A Casa” faz parte da agenda cultural da Cidade.


Agenda!

No próximo dia 14 “A Casa” realiza em parceria com a grife de camisetas NOVEDEZ Clothing, a exposição CAMISA7: 7 amigos criando cada um uma estampa, totalizando 7 estampas diferentes com uma tiragem limitada de 7 exemplares, que estarão á venda em 7 dias juntamente com 21 MDF´s pintados por eles e videoinstalação. Entro os artistas que deixaram sua marca na camiseta, estão Thiago e Deivid. Saiba mais sobre esta idéia.
Clique aqui



Últimas - Mais algumas dessa conversa...


“Na década de 1980, Paulo Leminski escrevia poemas na rua como a frase: “Palpite. “O grafite é o limite.” Na época, não havia muito grafite. Agora, a gente está vendo os grafiteiros conquistando seu espaço.” Deivid (Heal) – para reportagem da Gazeta do Povo.



Da onde veio?

A palavra grafite é de origem italiana e significa "escritas feitas com carvão".


Os romanos escreviam nas paredes e monumentos todo o tipo de inscrições, tais como insultos a alguém de quem não gostavam, declarações de amor à mulher amada, frases de apoio ou crítica política a uma das facções do senado ou a um imperador e citações de escritores famosos, entre muitas outras.


No século XX, mais precisamente no final da década de 60, jovens do Bronx, bairro de Nova Iorque (EUA), restabeleceram esta forma de arte usando tintas spray. Para muitos, o grafite surgiu de forma paralela ao hip hop - cultura de periferia, originária dos guetos americanos, que une o RAP (música muito mais falada do que cantada), o "break" (dança robotizada) e o grafite (arte plástica do movimento cultural). Nesse período, academias e escolas de arte começaram a entrar em crise e jovens artistas passaram a se interessar por novas linguagens. Com isso, teve início um movimento que dava crédito às manifestações artísticas fora dos espaços fechados e acadêmicos. A rua passou a ser o cenário perfeito para as pessoas manifestarem sua arte.

Na Europa, no início dos anos 80, jovens de Amsterdã, Berlim, Paris e Londres passaram a criar seus próprios ateliês em edifícios e fábricas abandonadas. O objetivo era conseguirem um espaço para criarem livremente. Nesses locais, surgiram novas bandas de música, grupos de artistas plásticos, mímicos, atores, artesãos e grafiteiros.


Grafitês:

Stycker: adesivos com arte confeccionados pelos artistas colocados em lugares públicos de grande visualização

Black Book: caderno que os grafiteiros possuem com suas produções e também desenhos de outros artistas

Wild - letra trançada

Graffiti Vandal - ilegal

Bomb - forma de letra do graffiti vandal

Tag - assinatura do grafiteiro


Veja imagens dos trabalhos de alguns dos integrantes da “A Casa”



A CASA - http://www.flickr.com/photos/acasagaleria
Deivid -
www.flickr.com/heal2
Thiago -
www.flickr.com/thiago_syen

Imagens na matéria são do Projeto "Viaduto e Trincheiras". A primeira - grafite que foi pintado no Viaduto do Xaxim./ A segunda, o grupo trabalhando em cima do Viaduto.

Ana Carolina Caldas


14 comentários:

Anônimo disse...

Putz! Que tesão de matéria, Aninha!
Muito bom!Adorei.

Mariana Falavinha

Marc Sousa disse...

Ana, parabéns pela matéria, muito boa mesmo.

Abraço

silviorodolfo disse...

Muito bom, algumas considerações, vejo alguns erros na historinha que contou sobre nossa execução. Mas até que gostei, mas como participei posso dizer.

Anônimo disse...

gostei do blog, necessito um grafiteiro para grafitar a fachada da minha escola,
me liga no 30185006
Tina

Ana Daniela disse...

Olá. Preciso de um grafiteiro para decorar um muro. Muro tem 12 mts x 3,00 mts. É urgente. Já tenho um desenho mais ou menos pré definido, preciso de sugestões. Fico no aguardo de um contato. Obrigada. Abraços. Ana Daniela. (ana_daniela_oliveira@hotmail.com)

Mirian disse...

oi!gostaria de saber como faço para contatar um grafiteiro.quero fazer um desenho num quarto de criança.c puder me ajudar .aguardo resposta .obrigado

RConrado disse...

tenho 2 muros de aprox 12x6 se alguem tiver interesse em grafitar segue meu mail rodrigoconrrado@hotmail.com

China disse...

Ola, estou com um muro novo tem 10mts x 2,50 muro limpo se alguem tiver interesse de esxpresar suas ideias e arte, estou liberando o muro de minha casa!!!!!!!!

handersonchina@hotmail.com

Eliton disse...

Muito massa!! a matéria foi muito bem escrita. Larguei a pixação para fazer grafitte, mas a sociedade em geral não tem o conhecimento de que o grafitte é uma arte urbana. Sofro preconceito até mesmo em meu ambiente de trabalho. Infelizmente temos que implorar para liberarem um muro para demonstrarmos nossa arte. Apesar de meus grafittes serem apenas letras "tortas", aplicando apenas técnicas de pintura e sombras; entre outros efeitos; a discriminação é uma barreira ao crescimento desta arte.
Gostaria de saber como que eu faço para participar de uma oficina.

alves_eliton@hotmail.com

Anônimo disse...

oieee...

tenho um muro de 15 metros aproximadamente de comprimento e 2 metros de altura na região de Pinhais/Pr...se alguém tiver interesse de expressar sua arte meu e-mail é: rhannamar@bol.com.br

Obrigada e Parabéns!!!

Ferpacom disse...

Adorei o Post, tenho uma ideia legal para fazer no muro da minha casa. Em meio a tanta violencia, gostaria de trazer algumas imagens de PAZ. Caso alguem tenha interesse, favor enviar email para ferpacom@gmail.com

Ferpacom disse...

Tenho um muro muito legal para fazer um grafite, gostaria de passar algumas mensagens de PAZ, diante desse cenario tao violento.
Quem tiver interesse por favor entre em contato.
ferpacom@gmail.com

Paulo disse...

olá galera, tenho um muro que deve dar uns 12 mtr por 3 de altura, região do pinheirinho, final da sagrado coração, quem quizer grafitar, esta liberado.

prkoerner@yahoo.com.br

Ulisses Falcão disse...

Mto legal esse blog. Aproveitando, quero divulgar o blog dos meus alunos, vale a pena conferir:

http://spotequipe.blogspot.com.br/