16 de mai de 2011

CULTURA É CRIME: Prefeitura agradece os 12 anos de Beto Batata com truculência policial

Truculência policial expulsa freqüentadores do Beto Batata. Motivo: a música

Mais uma vez o Robert Amorim, proprietário do espaço Cultural Beto Batata, neste último sábado fez como todos os dias: abriu suas portas para oferecer ao público curitibano diversidade e qualidade cultural. Além da boa música, o Espaço Cultural Beto Batata realiza exposições fotográficas, lançamentos de livros, recitais, entre outros, sempre garantindo espaço para a arte local. Ele emprega mais de 60 pessoas, entre funcionários e músicos. No ano passado, a espaço foi usado para atrações da Virada Cultural, evento organizado pela prefeitura de Curitiba. Porém, às vésperas de completar 12 anos de incentivo à cultura curitibana, recebeu um presente no mínimo curioso: A mesma Prefeitura que usou seu espaço ( tanto para Virada Cultural como para Oficina de Música), lhe preparou uma surpresa: 15 viaturas policiais chegaram no estabelecimento, policiais militares entraram no local, notificaram o proprietário. Motivo: a música. Esta mesma música que serviu bem à Prefeitura no ano passado foi o motivo para o filme de terror que se desenrolou nos minutos após. Robert Amorim relata que no momento que a polícia chegou, havia em torno de 150 clientes no local, entre eles crianças e idosos. “A ação feriu o direito constitucional”, disse ele. As pessoas foram retiradas em meio à chuva. Para Amorim, foi uma arbitrariedade. Além dos presentes, acontecia no bar um aniversário de 15 anos. Talvez a aniversariante não tenha gostado também do presente. As mesmas 15 viaturas que fiscalizavam o barulho saíram com as sirenes ligadas, terminando o “espetáculo”. A ação foi realizada pela AIFU – Ação Integrada de Fiscalização Urbana, formada pela Polícia Militar e Guarda Municipal.

Na tarde deste domingo vários artistas e músicos que já usaram o espaço para apresentar seu trabalho foram até o bar realizar uma manifestação contra a truculência da polícia militar. Os artistas pedem retratação por parte da Prefeitura.

A pergunta que se faz é: Para a Virada Cultural, evento organizado pela Prefeitura, o espaço servia? A cultura de Curitiba foi tratada como um crime neste sábado, dia 14 de maio de 2011.

Os: Uma das ultimas novidades do Beto Batata é um espaço voltado para arte infantil. Espero que as crianças que desde cedo estão desfrutando deste espaço, não presenciem mais atos como este. Que as crianças possam ser felizes no Beto Batata! E que elas aprendam que ser feliz é seu direito e ninguém pode desrespeitá-lo. Que as crianças que já inventam suas mirabolantes obras de arte com sucatas, tinta e pincel lá no Beto Batata possam continuar freqüentando este espaço que é patrimônio da cidade.

Ana Carolina Caldas, jornalista, mestra em História e pedagoga. Frequentadora há uns bons anos do Espaço Cultural Beto Batata.

4 comentários:

Marcos De Bona disse...

Puxa, que absurdo! O Beto Batata é realmente um espaço muito legal. Se o problema era a música, porque não pediram simplesmente para que os músicos parassem de tocar? Expulsar os frequentadores não era nem um pouco necessário, trata-los com truculência foi muita falta de respeito e bom senso.

Adriana Hote Pfeiffer disse...

Lamentável, pra mim (músico também)não passam de bandidos com porte de armas!!!
Não podemos ficar calados!

Katia Horn disse...

A revolta das batatas

Na cidade tinha uma casa colorida e bem bonita, com carpas, flores e piano. Todas as noites passavam pela casa seres sensíveis e expressivos, então as carpas riam, as plantas oxigenavam e os pianos tocavam.
As pessoas da casa plantaram uma parreira no quintal. Ela esticou suas gavinhas, subiu pelo poste e atravessou a rua pelos fios elétricos. Apareceram cachos de uvas iluminadas na rede, e começou a jorrar vinho pelos buracos das tomadas de todas as casas da cidade. A situação ficou incontrolável.
Então, os governantes locais, muito preocupados, mandaram soldados em catorze viaturas. As carpas foram cerceadas, as flores confiscadas e os pianos amordaçados. Uma motosserra calou a parreira.
Os governantes, parece, ficaram muito satisfeitos...

Katia Horn

Karina Koerner Pinheiro disse...

Ahhh...lembrei porque saí de Curitiba e não volto mais. Província aristocrata !!! Absurdo!!! O Beto Batata é demias!!!